Sugestões de Alimentação Complementar

Dra. Eliane Turano Monteiro de Castro Torres - Pediatria/Homeopatia (CRM 37084/1)

 

Refeições de quatro em quatro horas:

 

6h: mamada;

Intervalo: suco de frutas;

10h: papa de legumes;

14h: papa de frutas;

Intervalo: suco de frutas;

18h: papa de legumes;

22h: mamada;

Outros intervalos, se necessário, e à noite: água.

 

Substituir cada horário de mamada gradativamente, de acordo com a aceitação da criança. Iniciar por frutas, depois por uma das refeições de legumes e depois pela segunda refeição de legumes.Uma vez iniciada alguma refeição, continuar a manter os horários e as refeições, mesmo quando houver mudanças na rotina diária (quando sair de casa ou nos finais de semana).Todos os alimentos novos oferecidos devem ser observados e avaliados quanto aos seus efeitos no organismo (alergias, diarréia ou prisão de ventre) e as preferências do bebê (nos dias mais difíceis, oferecer o alimento preferido da criança).

Mamada

Leite materno, leite no copinho ou mingau no prato (evitar mamadeira, caso esteja sendo amamentada).

Na ausência do leite materno, a fórmula infantil é o substituto adequado para a alimentação de lactentes no primeiro ano de vida.

Duas refeições com leite são o suficiente. Ocasionalmente, oferecer mais uma mamada (no caso de saudade da mamãe, à tarde).

 

Água

Manter água filtrada e fervida constantemente ao alcance das mãos para oferecer à criança (um choro sem propósito, um soluço ou uma modificação no humor podem ser evitados com um gole de água na hora exata). Observar a depressão da fontanela (moleirinha baixa), como sinal de alerta para desidratação. À noite, para os bebês que já se alimentaram bem durante o dia, já mamaram, escovaram os dentes, estão com as fraldinhas secas e limpas, é uma boa opção para relaxarem...

 

Suco de frutas

Usar o coador e acrescentar água, caso necessário: Laranja, mamão, ameixa preta, caqui (para “soltar” o intestino), maçã, cenoura, goiaba, limão, gelatina líquida (para “prender”), acerola, melão, pêra, pêssego, melancia, tomate, caju, maracujá.

 

Papa de frutas

Banana com aveia e geléia de mocotó, mamão com gelatina e biscoito, outras frutas e geléias em quantidade suficiente para satisfazer a vontade do bebê (de acordo com o seu crescimento e desenvolvimento, que devem ser acompanhados na consulta de Puericultura). O bebê deve comer até não querer mais. Se comer tudo numa refeição, na próxima, aumentar o tamanho do prato e a quantidade.

 

Papa de legumes

Iniciar com três legumes de cor diferente (batata, chuchu, cenoura), carne bovina (100g de músculo), temperando com uma colher das de chá de manteiga ou margarina;

 

Substituir, de acordo com a necessidade ou para variar:

- A batata inglesa por baroa, inhame, batata doce, aipim;

- O chuchu por abobrinha, couve flor, quiabo, berinjela;

- A cenoura por abóbora, beterraba, tomate;

 

Acrescentar folhas verdes (agrião, alface, couve, repolho, brócolis, chicória, espinafre, bertalha, salsinha, hortelã), após um período de observação (mais ou menos uma semana);

Acrescentar caldo de feijão preto (nas duas refeições de legumes) e depois o arroz (bem cozido e amassado com o garfo);

Oferecer fígado (de galinha ou de boi) uma vez por semana; gema de ovo (três vezes por semana);

Oferecer massas (macarrão sem tempero pronto), para facilitar a mastigação, misturando com os legumes e a carne;

Acrescentar ervilha, lentilha, grão de bico, peito de frango e peixe (pescadinha).

 

A alimentação precisa ser desejada - um momento de satisfação. Ensinar o local e as maneiras de se alimentar, logo no início. Qualquer desvio deve ser estudado e corrigido a tempo.